sábado, 23 de dezembro de 2017

UM MENINO DE RUA



Um menino de rua, de 12 anos, entrou numa sorveteria, sentou-se em uma mesa e perguntou para a garçonete que passava: Quanto custa um sorvete?
– 3,00 – respondeu a moça.
O menino tirou algumas moedas do bolso e começou a contá-las bem devagar para não errar.
Ele havia passado a manhã toda catando latinhas e tinha apurado aquele dinheiro:
– Quanto custa o picolé mais barato?
A essa altura, já havia mais pessoas esperando para serem atendidas, e a garçonete estava perdendo a paciência.
– 2,00 – respondeu ela, de maneira brusca.
O menino, mais uma vez, contou as moedas e disse:  Eu vou querer, então, o picolé de 2,00.
Após alguns minutos, a garçonete trouxe o picolé e a conta, colocou-os na mesa e foi atender outros
clientes.
O menino terminou o picolé, pagou a conta no caixa e saiu.
Quando a garçonete voltou para limpar a mesa, sentiu uma dor profunda no peito e começou a chorar.
Na mesa, o garoto havia deixado 1,00 todo de moedas.
Ele havia escrito em um guardanapo: Esta gorjeta é para a senhora, é pouco, mas é de coração. Deus te abençoe.
Com isso, ela percebeu que o menino tinha pedido o picolé mais barato para que sobrasse uma gorjeta para ela, mesmo ela tendo sido ríspida com o garoto!
Quantas vezes temos a oportunidade de abençoar alguém, sacrificando apenas uma parte do que temos e não o fazemos? Quantas vezes julgamos as pessoas pela aparência, e não pelo seu coração?

O CRISTO QUE CONHECI


1. O Cristo que conheci curou-me da fobia de Deus. Ele ensinou seus discípulos a em vez de se relacionarem com Deus se relacionarem com o Pai.
2. O Cristo que conheci salvou-me da religião. Ele ensinou seus discípulos a tomarem cuidado com o que padres e pastores ensinam, pois frequentemente eles põe na boca de Deus o que Deus jamais falou.
3. O Cristo que conheci livrou-me de tornar-me um conservador. Ele ensinou seus discípulos a verem o caráter socialmente construído de grande parte dos costumes e valores morais. Ele manda tirar a burca, rasgar o véu, depor o monarca, relativizar dias sagrados e mandar para o inferno o mundo que os homens construíram para si mesmos e, entretanto, dentro do qual eles não conseguem viver. Há um lado visivelmente anárquico na sua mensagem. O cristão percebe a caretice e, em não poucas ocasiões, oculta sua liberdade para não escandalizar pessoas.
4. O Cristo que conheci preservou-me de me tornar progressista. Ele ensinou seus discípulos a amar, e deixar o amor definir tanto o que deve ser conservado quanto o que deve ser desconstruído. Muitas vezes acontece de ser chamado de "ruptura com as normas relativas da sociedade" o que o amor condena.
5. O Cristo que conheci convenceu-me do cuidado providencial divino. Ele ensinou seus discípulos a crerem num Deus que cuida dos lírios do campo, dos pardais e que tem contados os fios de cabelo do seus amados servos. O Deus de Cristo é um Rei que reina. Governa em amor, sabedoria e justiça o universo.
6. O Cristo que conheci fez-me forte na batalha. Ele ensinou seus discípulos a não temerem os que podem matar o corpo mas não podem matar a alma. Com Ele, nos superamos, saltamos muralhas, derrubamos gigantes, encaramos leões e ficamos firmes, no calor da batalha, no nosso posto.
7. O Cristo que conheci mostrou-me o lado obscuro da funcionamento da alma humana, tornando-me realista e modesto quanto às aspirações dos modelos de sociedade que criamos. Ele ajudou os seus discípulos a terem contato com a escuridão do coração dos homens. Marx falou sobre os interesse econômicos que a tudo contaminam. Freud ressaltou a repressão sexual como fonte tanto de neuroses, quanto do funcionamento de muito do que é considerado racional. Cristo foi além: falou sobre o ser humano como transformado em inimigo de Deus; o que o tornou amante de si mesmo, propenso à mentira e ao egoísmo; vivendo, sendo assim, em estado de perene desassossego.
8. O Cristo que conheci levou-me a ser defensor dos direitos humanos. Ele ensinou os seus discípulos a gritarem onde houver ser humano sendo explorado pelo patrão, sofrendo abuso de poder e tendo seus direitos civis, sociais e políticos desrespeitados.
9. O Cristo que conheci conduziu-me a sentir compaixão pelo necessitado. Ele ensinou os seus discípulos a socorrerem os famintos, os refugiados, os desempregados, os enlutados, os doentes. Todos os despossuídos foram criados à imagem do seu Criador, Ele ressaltou. Esse é o principal fundamento da luta política cristã.
10. O Cristo que conheci fez-me aguardar novos céus e nova terra. Ele ensinou os seus discípulos a crerem na vitória da vida sobre a morte, do poder de Deus sobre o túmulo, da harmonia final sobre a entropia completa, da justiça divina sobre a capacidade dos canalhas de a todos ludibriarem, da cidade de Deus sobre a cidade dos homens.
Ano que vem farei 35 anos de estrada com Cristo. Com 20 anos de idade o ouvi dizer, "segue-me". Segui-lo significa ir após alguém que sempre será objeto de controvérsia, perseguição e ódio. Não é à toa que foi entregue pela religião às autoridades públicas a fim de morrer como um condenado político.
Nesses anos de relacionamento com Ele, aprendi que segui-lo é andar no fio da navalha. Mas, apesar das extenuantes consequências éticas desse caminhar ao seu lado, não saberia o que fazer da minha vida se não tivesse a Ele -por quem meu encanto e amor são crescentes.
Por isso, nesses dias em que celebramos o nascimento de Cristo, -nos quais deixamos de ver Deus revelado através de um monte em chamas a fim de vê-lo mamando no peito de Maria-, peço que você o siga, tornando-se discípulo dele.
Feliz Natal.

Rev. Antonio Carlos Costa
Teólogo e fundador da ONG Rio de Paz

Retirado da página do autor

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

FRIEDRICH NIETZCHE: ORAÇÃO AO DEUS DESCONHECIDO




Antes de prosseguir no meu caminho
E lançar o meu olhar para frente
Uma vez mais elevo, só, minhas mãos a Ti,
Na direção de quem eu fujo.
A Ti, das profundezas do meu coração,
Tenho dedicado altares festivos,
Para que em cada momento
Tua voz me possa chamar.
 Sobre esses altares está gravada em fogo
Esta palavra: “ao Deus desconhecido”
Eu sou teu, embora até o presente
Me tenha associado aos sacrílegos.
Eu sou teu, não obstante os laços
Me puxarem para o abismo.
Mesmo querendo fugir
Sinto-me forçado a servi-Te.
Eu quero Te conhecer, ó Desconhecido!
Tu que que me penetras a alma
E qual turbilhão invades minha vida.
Tu, o Incompreensível, meu Semelhante.
Quero Te conhecer e a Ti servir.
Friedrich Nietzsche (1844-1900) em Lyrisches und Spruchhaftes (1858-1888). O texto em alemão pode ser encontrado em Die schönsten Gedichte von Friederich Nietzsche, Diogenes Taschenbuch, Zürich 2000, 11-12 ou em F.Nietzsche, Gedichte, Diogenes Verlag, Zurich 1994.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

ESPERA NO SENHOR! ELE CUIDA DE NÓS!

Os dias vem e vão.

As coisas mudam. Na verdade parece que tudo está em constante mudança.

Aquilo que queríamos ontem, muitas vezes já não nos desperta interesse hoje.

Estamos no mundo da tecnologia, o mundo que tudo é pra ontem.

Esperar já não faz parte de nosso dicionário e não é um verbo que gostamos de conjugar.

Pra nós, homens e mulheres desse tempo a resposta deve ser sim ou não e se possível sempre 'sim'. Esperar, jamais.

A palavra de Deus nos orienta:

Espere no Senhor. Seja forte! Coragem! Espere no Senhor.
Salmos 27:14

Esperar em Deus faz parte da vida do cristão.

A Bíblia também diz:

E a esperança não nos decepciona, porque Deus derramou seu amor em nossos corações, por meio do Espírito Santo que ele nos concedeu.
Romanos 5:5

Temos um Deus que tem prazer em cuidar de nós seus filhos, mas muitas vezes Ele nos faz esperar e esperar com paciência.

Quando esperamos em Deus, depositamos NEle a nossa confiança e fé, dizendo eu sei que o Senhor tem o tempo certo para todas as coisas.

Ele cuida de nós meus amados!

Paz e bem!

Espere no Senhor!

Deus cuida de nós!!!


terça-feira, 20 de setembro de 2016

REFLEXÃO DO DIA

Eu já estive em muitos lugares. Em alguns de forma física, vi tudo através de meus olhos.

Outros lugares, visitei através de outras pessoas, de seus olhos e de suas percepções.

Visitei alguns lugares em sonhos, alguns dormindo e outros acordado. Nessas visitas estive com pessoas, falei muitas coisas, expressei desejos e sentimentos.

É, podemos ir ao passado e no futuro. Ao passado vamos com nossas lembranças de como foi e de como poderia ter sido. Não, não podemos mudar o que foi.
No futuro vamos com nossos desejos, fé e esperança.

O meu presente é afetado por essas duas realidades, Olhando o passado percebo o que devo mudar, quais devem ser as reais preocupações e onde devo investir meu tempo.

Olhando o futuro, sou impelido a tomar decisões que possam gerar a conclusão das expectativas que agora tenho.

Assim vou vivendo, revivendo e querendo viver. Caminho nessas realidades, visito as com frequência e elas me afetam profundamente.

Meu maior consolo e esperança está na fé que tenho em UM Ser que está além do passado presente e futuro. Eles estão diante dele, acontecendo de forma simultânea. Ele vê o que se foi, o que é e o que será. Ele não apenas vê, tudo acontece segundo Sua eterna vontade.

Quanto a mim, sei que Ele esteve/está em cada dia do meu passado, sei que Ele está no presente e sei que Ele está/estará no meu  futuro.

Há medos e incertezas? Claro que sim. Estou sujeito a essa linearidade do tempo.

Mas há também a fé. Fé Naquele que existia antes de tudo e que sem Ele nada do que foi feito poderia existir.

Com essa fé eu caminho nas minha andanças. Essa fé vai comigo por onde eu for. Essa fé me faz crer e ver o impossível. Ela é a certeza do que espero e a convicção do que ainda não vejo.

Essa fé, presente de Deus, me faz agradá-lo, me faz crer Nele.

Me faz crer que Ele é quem me abençoa, me guarda e me guia. Me faz crer que o Caminho foi preparado e tudo que tenho é seguir.

Dia a dia vou seguindo, sujando os pés na poeira da estrada da vida, ora cheio de ânimo, ora totalmente desanimado.

Mas vou em frente. Na estrada da Vida vou pelo Caminho!

O Caminho tem um nome e seu nome é Jesus!